EVANGELIZAÇÃO

 

Diocese prudentina é referência na realização de acampamentos

 

Em 1995, iniciativa de orientar e atrair jovens para a igreja foi implantada na Diocese de Presidente Prudente

 

Aline Martins

Equipe de Comunicação 1º Encontro de Campistas

FOTO 2 P+üGINA 6.jpg

Os acampamentos, modalidade de evangelização que surgiu em países do norte da Europa nas décadas de 20 e 30 do século XX, foi a opção encontrada em meados de 1990 pela igreja católica no Brasil para tentar aproximar os jovens da religião. Em Presidente Prudente, o Padre Monsenhor Miguel Valdrighi, tendo conhecimento da história desta prática e motivado pelo projeto “Evangelização 2000”, enviou jovens a retiros em Petrópolis, no Rio de Janeiro, e em Maringá, no Paraná, em meados da década de 90, para adquirir conhecimento e trazer informações a diocese de Presidente Prudente.

As paróquias Santa Rita de Cássia e Nossa Senhora do Carmo realizaram as primeiras edições entre 1994 e 1996. O principal desafio era angariar participantes, por se tratar de uma prática nova, como conta Osvaldo Júnior, integrante da equipe de trabalho na época. Hoje, há filas de espera para a maioria dos acampamentos, em praticamente todas as comunidades que realizam.

O objetivo desta modalidade é apresentar o kerigma, o Cristo Vivo para as pessoas, com a utilização de novos métodos, nova expressão e novo ardor. Estas três características tornam o acampamento uma nova metodologia de evangelização, viva e eficaz, pois “cada edição tem que ser um novo Pentecostes, assim o Espírito Santo não envelhece”, afirma Astromar Miranda, pregador e um dos idealizadores da prática na região que compôs o grupo de pesquisa.

Esta vivência promove crescimento pessoal, já que após o encontro com Jesus, é necessário estabelecer uma sequência de atividades dentro da igreja ou em missões, e com isso, consequências positivas são colhidas. Astromar Miranda explica que “é preciso dar continuidade a tudo aquilo que a pessoa experimentou no acampamento, pois é justamente neste trabalho que se obtém transformações”, esclarece.

Com o tempo, a metodologia e os pilares do acampamento não sofreram alterações, no entanto, a forma de transmitir a mensagem proposta foi sendo atualizada conforme o público e a região que chegava. Os últimos dados levantados dão conta de mais de 65 cidades com esta atividade. Um dos exemplos de sucesso na Diocese de Presidente Prudente, é o fato desta metodologia ter sido estendida a outros públicos, com a criação dos acampamentos de Casais, Família, FAC, JOAM e Sênior.

Osvaldo Júnior e Astromar Miranda apontam a perseverança dos responsáveis pela implantação, a aceitação por parte dos sacerdotes e a capacitação de outras pessoas, que foram multiplicando esta nova metodologia, criada a partir de um pedido do papa João Paulo II, como fatores determinantes para o resultado positivo que conhecemos. O Padre Monsenhor Miguel Valdrighi também pontua o fato desta prática ser uma resposta neste tempo de dificuldades de orientação.

Atualmente, os acampamentos seguem sendo uma das formas mais profundas para a experimentação e vivência do amor de Deus.